Com esta «Digressão pela Ciência», excursão breve e, espero, não demasiado enfadonha, pretendi através de três temas mostrar a racionalidade, a capacidade explicativa da Ciência. A Ciência é, sem dúvida, uma criação prodigiosa do Homem, na sua inquietude prometeica, obsessiva e nunca satisfeita de interrogar, de encontrar repostas para as dúvidas e perplexidades, de acalmar receios e inquietações. Molda o espírito para a procura objectiva da verdade e do conhecimento, caminho permanente e eterno do Homem. O pensamento lógico e o conhecimento empírico são insubstituíveis para que as directivas morais sejam racionais e coerentes. O nosso Mundo, tão enredado e desnorteado em egoísmos, irracionalidade e novas ignorâncias condicionadas, bem necessita da inspiração e da beleza humanistas que a Ciência cria e põe ao nosso dispor.