Uma santa para o século XXI porque é nova, envolvente, simpática, humilde, provocadora,
explosiva, mística, radicalmente pobre, completamente apaixonada por Deus.
Bakhita é uma mulher realmente capaz de comunicar com a humanidade multifacetada
que enfrenta o novo milénio. Questiona-a e coloca-a frente às suas próprias responsabilidades,
mas leva-a sempre a sentir-se amada.
Não sabia escrever. Ler, apenas o estritamente indispensável. Extracomunitária ante litteram.
Amiga de S. Pio X, admirada por João Paulo II e apresentada pelo papa Bento XVI,
na Encíclica Salvos na Esperança (n.os 3-5), como exemplo de humildade e esperança.
Uma negra, amada pelos brancos. Uma cristã respeitada pelos muçulmanos. Invocada
pelas mulheres de África. Hostilizada pelos regimes africanos. Uma ponte entre o Continente
Negro e a Europa. Um desafio para as Missões. Quem falava com ela intuía que
estava a falar com uma santa e ela prometeu a todos orações e intercessões.